Greve dos Correios tem adesão de 70%

segunda-feira, 12 março, 2018 | 11:46

greve dos Correios que se iniciou na noite do último domingo contabiliza 70% de adesão dos trabalhadores nesta segunda-feira, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de São Paulo, região metropolitana e Sorocaba (Sintect-SP). A paralisação das atividades acontece por tempo indeterminado. Os Correios não têm balanço da adesão até o momento.

A principal reivindicação é referente ao plano de saúde da categoria, que poderá ter cobrança de mensalidade e mudanças quanto à possibilidade de inclusão de dependentes. O argumento é de que os salários são em média os mais baixos dentre os servidores de empresas públicas e estatais (1.600 reais) e que os custos podem chegar a 900 reais, dependendo da idade do trabalhador. Um julgamento sobre o caso no Tribunal Superior do Trabalho está marcado para esta segunda-feira.

Os trabalhadores protestam também contra alterações em cargos e salários, terceirização de serviços, a possibilidade de privatização da empresa, problemas referentes a benefícios, pela contratação de mais funcionários e contra o fechamento de agências. Na avaliação do Sintect-SP, há um déficit de 4.000 carteiros só na capital paulista. O último concurso público foi realizado em 2011. Outra reclamação é de que a extinção do cargo de operador de triagem, anunciada em janeiro, vai sobrecarregar outras funções.

Em nota, os Correios dizem que respeitam o direito de greve, mas que o assunto dos planos de saúde foi exaustivamente discutido com os funcionários, sem sucesso. “A empresa aguarda uma decisão conclusiva por parte daquele tribunal [TST] para tomar as medidas necessárias, mas ressalta que já não consegue sustentar as condições do plano, concedidas no auge do monopólio, quando os Correios tinham capacidade financeira para arcar com esses custos”, diz trecho do texto.

Pagamento de contas

A recomendação da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) é de que os consumidores que tenham contas a pagar nos próximos dias  procurem os credores para a emissão de segunda via ou para receber o número do código de barras do boleto. Com isso, é possível quitar as obrigações mesmo que o documento original não chegue a tempo.

“É importante ressaltar que o serviço de emissão de boletos é estabelecido em contrato entre empresas (escolas, clubes, academias e condomínios, etc.), ou concessionárias de serviços públicos, e os bancos. Portanto, o consumidor deve tentar negociar com as agências das concessionárias ou empresas emissoras dos boletos isenção dos encargos cobrados pelo atraso. Os bancos cumprem o que está estabelecido em contrato”, orienta a instituição.


Deixe seu comentário