Sobe para 10 o número de mortos em escola de Suzano, na Grande SP

0
25
Compartilhe

Atualizado às 13h38

 

Polícia militar informou que ao menos outras 10 pessoas ficaram feridas e foram socorridas. Ao menos cinco mortos são crianças. Dois adolescentes encapuzados abriram fogo contra as vítimas e cometeram suicídio após o ataque.

Ao menos cinco crianças e uma diretora foram mortas em um ataque a tiros em uma escola estadual de Suzano, na região metropolitana de São Paulo. Outras sete estão hospitalizadas.

Segundo informações da Polícia Militar, dois homens encapuzados, que aparentam ser adolescentes, atiraram contra os estudantes e, em seguida, se mataram na escola Raul Brasil, na região central da cidade.

Movimentação em frente à escola. Foto: TV Reprodução

Informações da equipe médica no local são de que há ao menos outras nove pessoas feridas, mas não ficou claro quantas seriam crianças. A escola oferece ensino fundamental e médio e um centro de estudos de língua.

Segundo um vizinho que se identificou como Juliano, o atentado aconteceu pouco após o início das aulas no período matutino. “Moro ao lado, vi um tumulto e fui para lá. Cheguei e estava um tumulto, várias crianças saindo correndo ensanguentadas. Um desespero, professor, funcionário, todos correndo”, afirmou.

Veja as imagens do cenário da tragédia. Cuidado, imagens fortes:

Vídeo incorporado

Cláudio Humberto@ColunaCH

Vídeo do atentado em Suzano.
Cuidado, imagens fortes:

336 pessoas estão falando sobre isso

Foram acionadas seis unidades de resgate dos Corpo de Bombeiros, três do Samu, dois de suporte avançado e dois helicópteros águia. (Folhapress)

 

Aluna relata ataque em escola de SP: ‘um monte de corpos no chão’

Uma estudante do Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, relata que os alunos estavam no intervalo quando ouviram o barulho de um tiro e, no começo, acharam que era brincadeira. “Eles começaram a chegar mais perto atirando nas pessoas”, relatou.

 

‘Uma tragédia não vai nos fazer desistir de flexibilizar o porte de armas’, diz deputado

Segundo o deputado Capitão Augusto (PR-SP), que coordena a chamada ‘bancada da bala’, se alguém no local da tragédia em Suzano tivesse uma arma de fogo, poderia ter ‘tomado uma ação e evitado mais mortes’. De acordo com o parlamentar, o projeto que flexibiliza o porte começará a tramitar no segundo semestre.

Deputado Capitão Augusto. FOTO: Valter Campanato/Agência Brasil