‘Racionamento em Brasília poupa os mais ricos’, diz especialista em gestão de águas

0
4
Compartilhe

Com a experiência de quem ajudou a resolver a crise hídrica em mais de 40 países, o especialista em gestão de água José Galizia Tundisi afirma que o governo do Distrito Federal erra ao submeter apenas parte da população ao racionamento. Segundo ele, o modelo adotado acaba poupando os mais ricos e não divide os impactos da crise por igual. O governo aponta “critérios técnicos”, e diz que levou em conta o estado de cada reservatório de água.

“O plano do racionamento em Brasília acaba poupando os mais ricos. O recomendado seria fazer o racionamento para toda a cidade.”

Em vigor desde segunda-feira (16), o racionamento do DF atinge apenas as regiões abastecidas pela bacia do Descoberto. A estimativa é de que o corte afete 1,7 milhão de pessoas – 57% da população total medida pela Codeplan, de 2,9 milhões. Dos moradores afetados, a maior parte mora em regiões carentes da capital.

Cidades atingidas pelo racionamento de água (Foto: Editoria de Arte/TV Globo)Cidades atingidas pelo racionamento de água (Foto: Editoria de Arte/TV Globo)

Cidades atingidas pelo racionamento de água (Foto: Editoria de Arte/TV Globo)

Já as regiões abastecidas pelo reservatório de Santa Maria não foram incluídas. Entre elas, as áreas com baixo índice de desenvolvimento são minoria. Além da região central do DF, que inclui o Plano Piloto, a Esplanada dos Ministérios, o Congresso e o Palácio do Planalto, foram poupados o Lago Sul e o Lago Norte.

O governo do Distrito Federal afirmou que o critério adotado para o racionamento é “puramente técnico” e que “a questão econômica das regiões não foi considerada”. Em nota, disse que as regiões abastecidas pelo reservatório de Santa Maria terão redução da pressão da água a partir de 30 de janeiro.

‘Política perversa’

Tundisi é professor aposentado das universidades de São Carlos (UFSCar) e São Paulo (USP), e pesquisador do Instituto Internacional de Ecologia. O especialista acompanhou de perto a crise hídrica de São Paulo entre 2014 e 2015. Antes, em 2007, ajudou a Espanha a enfrentar a maior seca dos últimos cem anos.

Na Europa, o professor conseguiu emplacar uma política de restrição de litros de água por família a todos os moradores, com multa para os que extrapolavam. A limitação garantiu à Espanha atravessar a estiagem sem grandes traumas. Já na capital do Brasil, de acordo com o especialista, a história é outra.

“O mais grave é que o corte vale mais para a periferia, o que pode ter uma conotação política perversa.”

“Eu, particularmente, acho que toda a população deveria participar. Para equilibrar, [o governo] deveria pressionar toda a cidade para todo mundo compreender a dimensão de uma crise”, afirmou o professor.

Fora do racionamento, Lago Sul e Lago Norte reúnem índices econômicos e de desenvolvimento humano comparáveis aos da Noruega, os mais altos do mundo. Pesquisa feita cruzando dados da Codeplan e do IBGE apontou que as duas regiões são vice-colocadas nacionais na “proporção de piscinas por habitante” – uma para cada 2.790 moradores. Nesse quesito, as região do Lago só perdem para São José do Rio Preto (SP).

“Quando se sobrevoa a região, você observa [a quantidade de piscinas]. Uma pessoa nestas condições gasta 400 litros de água por dia. Enquanto alguém na periferia vai gastar entre 10 e 12 litros, o índice mínimo recomendado pelas Nações Unidas. Esse desequilíbrio precisa ser considerado”, ponderou.

Transposição

A cada dez moradores do DF, seis são atendidos pelo Descoberto, três pelo Santa Maria e um por pequenos rios locais. Segundo o governo, a baixa recorde na primeira bacia, de 18,9% da capacidade, justifica os cortes. Já o reservatório de Santa Maria está com mais de 40% da capacidade.

“Quando há um desequilíbrio entre a capacidade dos reservatórios, o esperado é fazer a transposição de bacias. É preciso retirar água da bacia mais cheia e levar para a mais vazia e manter a segurança hídrica da população”, explicou o professor Tundisi.

Barragem do Descoberto reduz o volume para menos de 20% pela primeira vez, em imagem de novembro (Foto: Alexandre Bastos/G1)Barragem do Descoberto reduz o volume para menos de 20% pela primeira vez, em imagem de novembro (Foto: Alexandre Bastos/G1)

Barragem do Descoberto reduz o volume para menos de 20% pela primeira vez, em imagem de novembro (Foto: Alexandre Bastos/G1)

Uma obra de transposição custa caro e demora para ficar pronta. Em São Paulo, o reforço ao sistema Cantareira foi anunciado meses antes do agravamento da crise hídrica. Orçada em R$ 555 milhões, a empreitada é tida como essencial para recuperar o principal manancial do estado, mas a primeira parte só deve ficar pronta neste ano.

De acordo com a Caesb, companhia responsável pelos recursos hídricos do DF, “essa não é a solução mais viável, pois exige um volume de obra muito grande e de alto custo”. Em nota, a companhia disse estar construindo novas captações nos sistemas Corumbá e Bananal, mas não informa quando estas obras, classificadas como “solução melhor”, ficarão prontas.

Gestão em alerta

Para Tundisi, os gestores públicos precisam prestar atenção nos cientistas e se planejar melhor. “Eles não estão ouvindo os climatologistas. Relatórios de 2001 anunciavam uma crise séria a partir de 2011. É preciso integrar os padrões climatológicos no processo de gestão”, afirmou.

Na avaliação do especialista, se medidas tivessem sido adotadas na época dos primeiros relatórios sobre o tema, políticas consideradas extremas, como o racionamento, poderiam ter sido evitadas tanto em São Paulo quanto em Brasília. “O problema é que falta transparência na gestão de crises”, declarou.

O professor observa uma tendência no Brasil de não informar à população a situação real das crises, e demorar para adotar as medidas necessárias. “Isso é feito para evitar alarde à população. Dizem que isso pode trazer trauma. A meu ver, não contar pode causar um trauma ainda pior”, defendeu.

Este é o primeiro racionamento da história do DF. A capital federal é a terceira maior do país, atrás de São Paulo e do Rio de Janeiro. Segundo o governo do Rio, a cidade nunca enfrentou política de corte no fornecimento de água. Embora admita o desabastecimento sistemático de moradores no auge da crise de 2014 e 2015, o governo paulista afirma que nunca implementou política de racionamento na capital do estado.

Fonte: G1