Você tem usado qual oléo na sua cozinha?

quarta-feira, 11 Abril, 2018 | 19:53

A indústria sempre influencia seus hábitos alimentares, e muitas vezes é de maneira errada. Por exemplo: ela há anos tenta nos vender a ideia de que os óleos vegetais poli-insaturados, como milho, soja e canola, são mais saudáveis. Não passa de marketing que favorece apenas os cofres deles. Sabemos que o consumo destes óleos aumenta a incidência de câncer e das doenças cardíacas.

Nutri, mas cada dia é falado uma coisa diferente… Em quem confiar?
Primeiro: a ciência é mutável. A cada dia descobrimos algo novo e isso também acontece na ciência da nutrição. Agora, seguir bons profissionais, se alimentar de informações verdadeiras, diferentes do modismo que o google, local onde todo mundo pode afirmar ou implantar ideias novas, que não sabemos se são cientificamente comprovadas, a todo instante, nos alimenta.

Uma dica que eu dou para melhorar a sua saúde é: diga não às gorduras hidrogenadas. Elas formam depósitos sólidos dentro de seu corpo. A maior parte dos alimentos processados – e dos fast foods – contém gordura hidrogenada ou parcialmente hidrogenada.

Nutri, mas o que é essa gordura hidrogenada? Uma gordura que não existe na natureza. Isso mesmo, então se foi inventada seu organismo não consegue digerir.

Ela é uma maneira pela qual a indústria alimentícia encontrou para aumentar o tempo de prateleira dos óleos nos supermercados e não deixá-los rançosos (oxidados) rapidamente.

Por isso, fuja das margarinas e outras “manteigas light”. A margarina foi criada para engordar os perus antes do abate. Ficou impressionada? Ela não é um alimento verdadeiramente, mas uma substância que tem que ser adicionada de corantes e realçadores de sabor para poder ser “comestível”.

Entretanto, mesmo que você compre um óleo bom, vários fatores podem afetar sua qualidade.

 

Atualmente, recomendo os óleos de babaçu, gergelim ou de coco. A manteiga também é segura para refogados e o azeite de oliva deve ser adicionado aos pratos depois de prontos. Já o óleo de linhaça nunca pode ser aquecido.

 

O azeite de oliva necessita de alguns cuidados especiais, siga os passos que vou te passar para aproveitar melhor o que ele tem a oferecer:

 

O primeiro cuidado é a exposição excessiva ao ar. Então mantenha-o em garrafas bem fechadas, pois, desta maneira, evitamos a exposição ao oxigênio ao ar atmosférico.

Além disso, o calor e a luz são fatores que aceleram o processo de oxidação. Escolha azeites que venham em garrafas escuras (geralmente vidro marrom ou verde escuro). Também é importante que a garrafa fique guardada num armário fechado e que não fique exposto à luz.

Isso não significa que não há a necessidade de guardá-lo na geladeira, mas em cima do fogão ou ao lado do forno não são os locais mais adequados.

Se você quer cozinhar em temperaturas mais altas o ideal é usar um tipo de gordura que seja saturada, e não o azeite. A banha de fonte animal (porco, pato, carneiro etc.) está nesta classificação. As gorduras de palmeiras, coco, gergelim e babaçu são exemplos de óleos adequados para cozinhar. A manteiga também se enquadra nesta classificação, mas rança com muito mais facilidade (por isso guardamos em geladeira).

Então, não seja vítima da indústria, agora que você já sabe, faça sua escolha na hora das compras e dê o primeiro passo para sua mudança.


Deixe seu comentário