Moro afirma que vazamentos estão ‘beirando o ridículo’

0
160
Compartilhe

 

Após novos vazamentos de conversas atribuídas ao procurador Deltan Dallagnol nos últimos dias, o ministro da Justiça, Sergio Moro, usou sua conta no Twitter para criticar o conteúdo do material. As partes citadas nas reportagens do The Intercept Brasil, Folha de S. Paulo e Veja não reconhecem a veracidade das mensagens.

“Sou grande defensor da liberdade de imprensa, mas essa campanha contra a Lava Jato e a favor da corrupção está beirando o ridículo.Continuem, mas convém um pouco de reflexão para não se desmoralizarem. Se houver algo sério e autêntico, publiquem por gentileza”, escreveu Moro, sem citar diretamente o conteúdo publicado.

Sergio Moro

@SF_Moro

Sou grande defensor da liberdade de

imprensa, mas essa campanha contra a

LavaJato e a favor da corrupção está

beirando o ridículo.Continuem, mas convém

um pouco de reflexão para não se

desmoralizarem. Se houver algo sério e

autêntico, publiquem por gentileza.

60,7 mil
08:06 – 16 de jul de 2019
Informações e privacidade no Twitter Ads
25,2 mil pessoas estão falando sobre isso

 

O ministro da Justiça e Segurança Pública está de férias de suas funções até o dia 19 de julho. A pasta explicou, por meio de sua assessoria, que o afastamento de Moro se trata de uma licença não remunerada prevista em lei.

“Por ter começado a trabalhar em janeiro, o ministro não tem ainda direito a gozar férias. Então está tirando uma licença não remunerada, com base na Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990”, informou a assessoria.

O “The Intercept Brasil”, por meio de seus parceiros, divulgou, nesta segunda-feira (15), um novo vazamento de mensagens de aplicativos de celular atribuídas ao então juiz Sergio Moro e ao procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Operação Lava Jato. Nelas, segundo as publicações, Dallagnol teria consultado Moro sobre a possibilidade de usar parte da verba da 13ª Vara Federal de Curitiba para produzir um vídeo publicitário contra a corrupção.

O ministro da Justiça e Segurança Pública está de férias de suas funções até o dia 19 de julho. A pasta explicou, por meio de sua assessoria, que o afastamento de Moro se trata de uma licença não remunerada prevista em lei. “Por ter começado a trabalhar em janeiro, o ministro não tem ainda direito a gozar férias. Então está tirando uma licença não remunerada, com base na Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990”.

O “The Intercept Brasil”, por meio de seus parceiros, divulgou, nesta segunda-feira (15), um novo vazamento de mensagens de aplicativos de celular atribuídas ao então juiz Sergio Moro e ao procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Operação Lava Jato. Nelas, segundo as publicações, Dallagnol teria consultado Moro sobre a possibilidade de usar parte da verba da 13ª Vara Federal de Curitiba para produzir um vídeo publicitário contra a corrupção. (JP)