Guerrero lamenta punição: “Estão me roubando a Copa do Mundo”

segunda-feira, 14 maio, 2018 | 23:49

Compartilhe

aolo Guerrero se pronunciou pela primeira vez após a ampliação da pena para 14 meses de suspensão por doping. O atacante, ao “Canal N”, do Peru, lamentou a decisão do Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), que deixa o peruano fora da Copa do Mundo e do restante da temporada (veja o vídeo acima).

– O futebol para mim é um sonho e continua sendo. Tive a sorte de crescer como jogador. Não consumi nenhum tipo de droga ou substância proibida, jamais tive vontade, porque nunca me chamou a atenção e sempre fui profissional. Nunca fiz isso. Aprendi desde novo o que um atleta pode ou não consumir.

A decisão, em última instância, é definitiva. Não cabe recurso. Como já cumpriu seis meses de suspensão, Guerrero poderá a voltar a jogar em oito meses. Com isso, o atacante só poderá entrar em campo novamente a partir de 2019. O contrato com o Flamengo acaba no dia 10 de agosto.

O vínculo de Guerrero com o Rubro-Negro acaba no dia 10 de agosto. As partes conversam desde o ano passado, mas o acordo ainda parecia distante. Clube e jogador aguardavam o resultado do julgamento do TAS para intensificar as conversas. A ampliação da pena tende a encerrar as negociações.

Veja a declaração de Guerrero:

“Está na hora de me pronunciar. Estar passando por esta injustiça há seis meses e hoje ter uma decisão dessas, onde o TAS ratifica 14 meses de suspensão para mim é duríssimo. São muitos momentos difíceis para mim e minha família.

Quero falar para a imprensa, meus fãs, torcedores do Flamengo e da seleção peruana, que estão sempre me apoiando, e para as pessoas que rezam por mim.

O futebol para mim é um sonho e continua sendo. Tive a sorte de crescer como jogador. Sinto que meu sonho de jogar futebol e disputar uma Copa com 36 anos foi tirado. Não consumi nenhum tipo de droga ou substância proibida, jamais tive vontade, porque nunca me chamou a atenção e sempre fui profissional. Nunca fiz isso. Aprendi desde novo o que um atleta pode ou não consumir.

O meu futebol aparece pelo meu talento e condição física. Apenas isso. Queria mostrar que durante o processo mostramos várias coisas: que nunca consumi droga, isso foi provado; nunca tive a intenção de melhorar minha performance, porque isso tampouco melhora a performance, e foi provado na Fifa, na Wada e no TAS. Eu estava sob regime da seleção, sob protocolos de segurança e nutrição. Tomei o chá que o garçom não deveria ter servido a um jogador profissional.

Às pessoas que contribuíram para esta vergonhosa injustiça digo que estão me roubando o Mundial e, talvez, minha carreira. Espero que consigam dormir em paz. Estou estudando com meus advogados para decidir os próximos passos”.


Deixe seu comentário