Casal faz sexo ao vivo durante sessão virtual da Câmara do Rio de Janeiro

0
3295
Compartilhe

 

Uma audiência pública virtual realizada hoje pela Câmara do Rio de Janeiro teve uma participação “quente”.

Um casal apareceu fazendo sexo no momento em que os vereadores se reuniam para tratar sobre a garantia da alimentação dos alunos da rede municipal de ensino durante a pandemia de covid-19.

Durante a reunião, o perfil não identificado começou a exibir cenas de sexo. Mesmo assim, os vereadores não interromperam a audiência e continuaram a discussão sobre o tema.

A informação é do portal UOL, a assessoria da Câmara afirmou que o caso aconteceu em uma audiência pública promovida pela Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente da Câmara do Rio, presidida pelo vereador Leonel Brizola Neto (PSOL).

O evento, que contou ainda com a participação dos vereadores Babá (PSOL) e Célio Lupparelli (DEM), ocorreu em ambiente virtual na plataforma Zoom

A assessoria da Câmara confirmou que a pessoa no vídeo não é parlamentar, e que apenas foi convidada para a reunião.

Brizola Neto se pronuncia

Em nota, o vereador Brizola Neto lamentou a falta de atenção dada pela imprensa para o tema principal da reunião. Ele ainda apontou que, assim que percebeu o episódio, pediu à TV Câmara para a imediata retirada do vídeo.

Ele ainda reafirmou a importância da audiência pública para “demonstrar a incompetência da prefeitura” que não consegue distribuir alimentos para as crianças.

Leia abaixo:

“Lamento que a imprensa tenha dado mais destaque a indiscrição involuntária que ocorreu durante a audiência e não a falta de alimento para as crianças e adolescentes. Assim que percebemos o episódio, imediatamente pedimos para a TV Câmara, que é quem controla o áudio e o vídeo dos participantes para a imediata retirada do ar. Nós vereadores e demais participantes não temos qualquer ingerência de corte, edição, montagem dos vídeos na plataforma Zoom. Reafirmo a importância da audiência pública em demonstrar a incompetência da prefeitura que tem recursos, mas não consegue fazer com que os direitos das crianças sejam respeitados.”