MPDFT cumpre mandados da Operação Chorume, deflagrada pelo MPGO

0
101
Compartilhe

 

Ex-prefeito de Planaltina de Goiás é preso por fraude em contratação de serviços de limpeza urbana.

 

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios prestou apoio à deflagração da operação Chorume, do Ministério Público de Goiás (MPGO). A ação contou com a participação do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco/MPDFT), do Centro De Inteligência do MPDFT e da Polícia Civil do DF.

Ela visa investigar organização criminosa que teria atuado durante a gestão do ex-prefeito de Planaltina de Goiás David Alves Teixeira Lima, em 2017. O grupo seria responsável por esquema de contratação ilegal de empresas, mediante dispensa de licitação, para a prestação de serviços de coleta de lixo e limpeza urbana no município. As investigações indicam desvios de recursos públicos que chegam a quase R$ 1,5 milhão de reais.

Em Brasília, buscas foram realizadas em dois endereços. Foram presos o ex-prefeito de Planaltina de Goiás David operacao editAlves Teixeira Lima, o empresário e ex-chefe de gabinete do prefeito, André Luiz Teixeira Kerber, e a procuradora jurídica de Planaltina de Goiás e companheira de André, Anelise de Paula Batista.

As investigações indicam que a associação criminosa tinha envolvimento de agentes públicos e empresários que fraudaram a celebração de dois contratos administrativos entre o município e as empresas Rode Bem Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. e G.J. Construções e Serviços Ltda.

Foram cumpridos também quatro mandados de busca e apreensão, três mandados de prisão temporária e um mandado de prisão preventiva, em Planaltina (GO), além de três mandados de busca e apreensão contra duas empresas e um mandado de prisão temporária, cumpridos na cidade de Barreiras (BA).

op edit2Com a coordenação da 4ª Promotoria de Justiça de Planaltina (GO), a operação contou, ainda, com o auxílio da Polícia Civil do DF, dos Centros de Inteligência (CIs) do MPGO, do Centro de Segurança e Inteligência do Ministério Público da Bahia (MPBA), das Polícias Civil de Goiás e do DF, e da Promotoria de Justiça da Comarca de Barreiras (BA). (MPDFT)