Primeira brasileira a testar vacina contra Covid-19 afirma: “É meu dever”

0
394
A Universidade de Oxford, cujo projeto é financiado pelo governo britânico, se associou ao grupo farmacêutico para fabricar e distribuir em todo o mundo a vacina que está desenvolvendo - AFP
Compartilhe

 

Coordenadora de odontologia do Hospital São Paulo, Denise Abranches foi a primeira brasileira a receber a vacina contra a Covid-19, doença causada pela pandemia do novo coronavírus. Em entrevista ao Portal R7, ela falou sobre ser a primeira brasileira voluntária a receber a possível imunização. “É meu dever como profissional de saúde contribuir com a ciência e trazer essa segurança para a população”, afirmou.

Denise possui um diário eletrônico para relatar informações sobre temperatura e sintomas corporais. Ela diz também confiar no trabalho que está sendo feito: “Confio plenamente no trabalho da Prof. Dra. Lily Yin Weckx, médica e referência internacional em imunizações. O estudo de Oxford veio muito por ela. Sei o quanto ela representa na pesquisa e no mundo universitário. Antes de tudo, sou uma admiradora”.

Sem contato direto com a família, Denise Abranches também comentou sobre a luta contra a pandemia na entrevista ao Portal R7. “A luta contra a pandemia tem proporcionado momentos difíceis não só para os profissionais da saúde. É uma doação de todas as categorias: os profissionais administrativos, secretárias, diretores, profissionais da limpeza, cozinheiros. Não temos escolha senão cuidar do paciente dentro de todas as circunstâncias. Estamos falando de um vírus que não bateu na porta, arrombou”.

“Tem 4 meses que não a vejo , mas vivi minha vida inteira com minha mãe dentro de um hospital. Minha família sempre teve uma consciência social imensa e muito alinhada comigo.”, completou, sobre sem estar sem contato a mãe.

Por fim, ela fala que enquanto os resultados não se confirma, ela segue vivendo uma vida dentro do normal. “Temos que manter as mesmas disciplinas de biossegurança. Usar a máscara e lavar as mãos, por exemplo, continuam sendo um atos de amor e um símbolo da guerra contra o vírus”, finalizou.