Dia Mundial da Alergia alerta para importância do tratamento

0
224
Compartilhe

O Dia Mundial da Alergia é celebrado nesta segunda-feira (8). O objetivo da data, instituída pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é alertar as pessoas sobre a importância do tratamento das alergias – que, em alguns casos, podem provocar até a morte.

De acordo com a Organização Mundial de Alergia (WAO), cerca de 40% da população mundial sofre com algum tipo de alergia. No Distrito Federal, a última estimativa da Secretaria de Saúde apontou que aproximadamente 1 milhão de pessoas sejam alérgicas.

Segundo o médico Antônio Matni, da Referência Técnica Distrital (RTD) de Alergia da Secretaria de Saúde, a prevenção é o melhor tratamento nesses casos. “Consiste em evitar os agentes desencadeantes, como alimentos, medicamentos, poeira, mofo, substâncias químicas etc. – isso, quando diagnosticado pelo profissional, visto que o processo alérgico é apenas controlado com a terapia medicamentosa e sem previsão de cura”, adverte.

O primeiro atendimento, ressalta o especialista, é feito nas unidades básicas de saúde (UBS) mais próximas das residências dos usuários. Os quadros alérgicos persistentes são encaminhados, pelo sistema de regulação, às redes secundárias e terciárias, como os hospitais regionais da Asa Norte (Hran), Materno Infantil de Brasília (Hmib), de Taguatinga (HRT), de Base e da Criança de Brasília (HCB). Somente no Hospital de Base, informa o médico, a média é de 240 atendimentos mensais relacionados a alergias.

Indícios

Dependendo do órgão atingido, os indícios de alergia podem variar em cada pessoa. Antônio Matni explica que, nas vias respiratórias, que causam as rinites e a asma, o paciente apresenta espirros, coriza, entupimento e coceira.

“O que diferencia esta do resfriado comum é que a rinite é, em geral, persistente, sem febre, sem dores, e a coceira no nariz e olhos frequentemente estão presentes”, situa. “Na asma, o paciente apresenta tosse, falta de ar e chiado no peito.” Já na alergia respiratória, atenta o especialista, as principais causas são os ácaros da poeira doméstica, os fungos e pelos de animais.

Na pele, os medicamentos são a principal causa de urticária, além dos produtos químicos manuseadas por trabalhadores – a maior causa de dermatite de contato. “Os alimentos também podem causar urticária, asma e dermatite”, lembra Matni.​

 

Com informações da Secretaria de Saúde