Movimento Moto Paco Social reúne motociclistas em prol dos carentes do DF

0
222
Compartilhe

 

Concentração na Praça do Cruzeiro, em Brasília, reuniu centenas de integrantes de motoclubes, que também protestaram contra o uso do cerol.

 

Por Lucíola Barbosa

Centenas de motociclistas se concentraram na Praça do Cruzeiro, no Eixo Monumental, neste sábado (14), para participar do movimento social intitulado Moto Paco Social 2019, realizado pelo vice-governador Paco Britto e servidores voluntários. O intuito do evento foi reunir os amigos em prol dos mais necessitados do Distrito Federal. Também participaram da ação social a esposa do Paco Britto, Ana Paula Hoff, e seus filhos, Catharina, Cristiano e Flávio Britto.

Após a concentração na praça, e uma oração comunitária, foi realizado um passeio motociclístico de uma hora, cujo trajeto envolveu as avenidas de Brasília, passando pela Praça dos Três Poderes, pela igreja Rainha da Paz e Ponte JK. Quem participou pode apreciar show musical com a apresentação de três bandas de rock (Black Rainbow, Cabaré Blues e The Memories), além de atrações com tendas contendo feiras de artesanatos, roupas e acessórios característicos das vestimentas dos motociclistas e uma praça de alimentação, com food trucks.

Imbuídos do espírito natalino, os colaboradores e participantes dessa causa nobre arrecadaram, no local, quilos de alimentos não perecíveis, roupas, calçados, artigos de higiene pessoal, brinquedos e vários outros itens, que serão distribuídos a instituições de caridade do Distrito Federal. “É um encontro solidário, para proporcionar um Natal mais feliz à população carente do DF”, explicou Paco Britto, após agradecer aos servidores, que trabalharam voluntariamente no encontro, aos motociclistas e moto-clubes participantes e, também, ao apoio do estabelecimento Lord Dim Pub.

O encontro também teve o objetivo de conscientizar as pessoas contra a utilização do cerol e da linha chilena. No local, correu uma lista de abaixo-assinado, por um dos organizadores, professor Walner Mamede, para alertar a população sobre o perigo dessa mistura criminosa, feita de cola de madeira com vidro moído, que se torna uma verdadeira navalha causadora de muitos acidentes fatais. “É preciso que todos se conscientizem sobre o perigo do uso do cerol, que pode até ceifar vidas! Não usem!”, pediu Paco, acrescentando ainda que essa irresponsabilidade, por parte de quem insiste em usar cerol, tem sobrecarregado o Sistema de Saúde do DF, com inúmeros casos de mutilação.

De acordo com os dados da Associação Brasileira de Motociclistas (Abram), no Brasil, ocorrem mais de cem acidentes por ano, sendo 25%, desses, fatais. Outros 50%, causam ferimentos graves ou gravíssimos, como cortes profundos e choques elétricos. Além de motociclistas, o cerol pode ferir também ciclistas, pedestres e até mesmo quem o utiliza.

Alegria

“Muitos motociclistas passam meses sem se encontrar. E quando isso acontece é uma alegria”, valorizou o deputado distrital Cláudio Abrantes, do Clube Legião da Capital, com 40 integrantes, em Planaltina. Ele conta que os motoclubes sempre estão engajados na promoção de eventos beneficentes. “O espírito é de solidariedade e fraternidade. Mas também é preciso colocar a máquina do estado para ajudar”, sugeriu, após parabenizar Paco Britto.

Entre os 250 motociclistas convidados estava o presidente Marco Portinho do segundo maior encontro de motos da América Latina – o Capital Moto Week – que está na 17ª edição. “O Capital Moto Week é uma grande confraternização mundial de motociclistas. Temos milhares de encontros no Brasil todo. No ano passado, reunimos 320 mil motos e 750 mil pessoas.

É um ambiente extremamente familiar”, garantiu Portinho, em sua potente moto customizada. Segundo ele, mesmo com esses expressivos números, nunca foi registrado Boletim de Ocorrência relacionado aos eventos dos integrantes dos motoclubes. Questionado sobre o encontro deste sábado, ele apressou-se a dizer: “Ótimo. Esperamos que se multiplique”.

Dentro do motociclismo, existem vários estilos de motos. Há os que preferem, por exemplo, os triciclos, que também marcaram presença no evento. É o que explica o diretor regional Amilton Oliveira, do clube Tri-Vale, que abriga 67 regionais espalhadas pelo Brasil, Uruguai e Paraguai. “São três mil membros nesses três países. Em qualquer emergência com os triciclos, as regionais podem ser acionadas, pois são conectadas”, esclareceu.
Oliveira conta que, durante as viagens, sempre vai um carro de apoio.

“E quem tem problemas e não pode ir de moto, tem a opção de participar com carros antigos”, emendou. Ainda de acordo com ele, o interessado em fazer parte do clube é treinado, em média, por um ano e, assim, poderá “fechar o colete” (ser batizado com uma cerimônia).

Batizado, o motociclista segue o lema que é baseado na sigla CIPA: companheirismo, irmandade, parceria e amizade. Para participar de qualquer um deles, independe da cilindrada da moto. “Certa vez, reboquei uma moto por 10 quilômetros em um trecho de estrada”, contou o diretor estadual, Olímpio Rodrigues, do grupo Moto Clube Nacional Steel Goose, que abriga cerca de 800 integrantes pelo Brasil. “A pessoa (que foi socorrida) me perguntou como poderia agradecer. Eu disse: ajude outro que estiver na mesma situação que você”, relatou.

Mulheres

Os motoclubes não são exclusivos do mundo masculino. Ele pertence também às mulheres. No encontro, havia pelo menos três motoclubes com integrantes femininas. Rosa Cigana é presidente de um deles, onde 19 mulheres são solidárias com os mais carentes. Elas colaboraram, por exemplo, com doações às vítimas da tragédia que ocorreu em Brumadinho. “Nem precisamos conhecer (quem precisa de ajuda). A motivação em ajudar é o ano inteiro, mas há as datas específicas, como Natal, Dia das Crianças, Páscoa”, resumiu.

O outro grupo é Filhas do Vento e da Liberdade, que integra sete mil mulheres. A representante regional do DF, Cristiane Oliveira, fez questão de comparecer ao evento e abraçar a causa humanitária. Já as Divas Sobre Rodas de Brasília aceita apenas mulheres e tem 18 integrantes. O grupo Êxodus é evangélico, mas aceita qualquer ideologia.
Também marcaram presença no Moto Paco Social o ex-governador Agnelo Queiroz; o secretário Severino Cajazeiras; o deputado distrital Reginaldo Rocha Sardinha; o ex-deputado distrital Benício Tavares; o pastor Lindon Johson e admiradores de motociclismo e dos motoclubes.

Fotos: Vinicius de Melo