Servidor envolvido no esquema foi preso preventivamente

0
115
Sala de Monitoramento do DER-DF, Brasília, DF, Brasil 17/7/2017 Foto: Tony Winston/Agência Brasília. O monitoramento das câmeras ocorre em quatro monitores de 55 polegadas, na sede do DER-DF. O monitoramento é das 6h30 às 20h30, quando o fluxo de veículos é mais intenso.
Compartilhe

 

Operação investiga grupo suspeito de cobrar propina a motoristas infratores para devolver CNH e impedir que infrações fossem lançadas no sistema. Três pessoas já haviam sido presas anteriormente.

 

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (GAECO/MPDFT) deflagrou, nesta segunda-feira, 23 de setembro, a 3ª fase da Operação Trânsito Livre. A ação contou com o apoio do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) da Polícia Militar do DF e prendeu preventivamente servidor envolvido em esquema de corrupção que envolveria, mediante cobrança de propina, a retirada de multas e a devolução de carteiras de habitação (CNH) apreendidas. Foram cumpridos também dois mandados de busca e apreensão: um no 3º distrito rodoviário do Departamento de Estradas e Rodagens (DER/DF) e outro na residência do preso.

Para o Ministério Público, a participação do agente consistia em fornecer a 1ª via dos autos de infração para que os demais integrantes do grupo criminoso abordassem os infratores e solicitassem o pagamento de propina para que a infração não fosse inserida no sistema e a CNH apreendida fosse devolvida. Além disso, ele acessava os sistemas informatizados do DER e fornecia os números telefônicos para viabilizar o contato com os condutores autuados. O envolvimento do agente foi desvendado após o Ministério Público analisar os materiais apreendidos nas fases anteriores da investigação.

A primeira fase da operação foi deflagrada no dia 28 de agosto. Na ocasião, foram cumpridos mandados de prisão preventiva contra três investigados, um deles servidor do DER/DF. Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão no edifício sede do DER e nas residências dos investigados. Na segunda fase da Operação, deflagrada em 31 de agosto, foi cumprido mandado de busca e apreensão na residência de uma condutora que teria pago propina para retirada de multa e devolução de carteira de motorista apreendida. Durante as buscas, foram apreendidos um celular, uma via do auto de infração e outra do extrato do etilômetro, com a informação da recusa em se submeter ao teste do bafômetro.

O Ministério Público já ofereceu denúncia contra nove pessoas, quatro foram denunciados por organização criminosa e corrupção passiva e cinco por corrupção ativa. As investigações continuam em relação a outros funcionários públicos e condutores. (MPDFT)