Bolsonaro diz que multa de 40% do FGTS paga pelo empregador poderá ser revista

0
71
Compartilhe

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta sexta-feira (19) a multa de 40% do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) que patrões tem que recolher quando das demissões sem justa causa.

Segundo, ele a eliminação da multa pode ser analisada pelo governo. “Essa multa de 40% foi quando o (Francisco) Dornelles era ministro do FHC (Fernando Henrique Cardoso). Ele aumentou a multa para evitar a demissão. O que aconteceu depois disso? O pessoal não emprega mais por causa da multa. Estamos em uma situação. Eu, nós temos que falar a verdade. É quase impossível ser patrão no Brasil”, disse o presidente.

Bolsonaro deu a declaração depois de participar de um evento seguido de almoço da igreja evangélica Sara Nossa Terra em Brasília.

“Defender empregado dá mais votos. Agora, a verdade é o patrão. Eu estou falando com o Paulo Guedes, eu pretendo lançar o programa Minha Primeira Empresa, para todo mundo que reclama do patrão ter chance de ser patrão um dia”, disse

“Trabalhador vai ter que decidir”

O presidente lembrou que durante a campanha afirmou que “um dia o trabalhador vai ter que decidir: menos direito com emprego ou todos os direitos sem emprego. Isso perde voto. Tem antipatia de populistas e comunistas. Muita gente bota na cabeça do povo que eu estou errado, eu estou perseguindo o pobre. Não, eu estou mostrando a verdade. Até contratar uma pessoa para a sua casa está difícil”.

Durante a entrevista também abordou ainda a PEC das domésticas. Ele contou que votou contra proposta nos dois turnos e questionou:  “O que aconteceu de lá para cá? A pessoa ou foi para a informalidade ou virou diarista. É como um casamento. Se um começar a querer ter mais direitos sobre o outro, acaba o casamento. Patrão e empregado é quase que um casamento. É a velha divisão de classes. Não é só com o negócio homo, hétero, branco e negro, rico e pobre. É empregado e patrão também. A esquerda prega isso para nos dividir e eles se perpetuarem no poder.”

Redação