Onyx conta como é o trabalho árduo do ministério da Cidadania com auxílio emergencial

0
196
Compartilhe

 

Por Josiel Ferreira e Maurício Nogueira 

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, em entrevista à Associação dos Blogueiros de Brasilia de Política do Distrito Federal (ABBP), nesta sexta-feira (22), por videoconferência, foi questionado sobre o que o Ministério da Cidadania tem feito na distribuição do auxílio emergencial em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

O Tudo OK Notícia abordou a questão das dificuldades quanto a fazer o dinheiro do auxilio emergencial  do Governo chegar aos mais fragilizados economicamente No momento a Polícia Federal investiga fraudes na distribuição do auxílio emergencial do Governo Federal. O nome e CPF do filho do jornalista William Bonner foi utilizado para saque ilegal na Caixa Econômica Federal do benefício. Qual o percentual dessas fraudes e como o governo está trabalhando para impedir que pessoas se aproveitem de recursos que são destinados a quem realmente precisa?

O ministro disse, que a rede de proteção que foi determinada pelo presidente Jair Bolsonaro  e coordenado pelo Ministério de Cidadania tinha como foco os informais e invisíveis, além dos muitos vulneráveis, os que não estão no bolsa família.

Onyx relatou que recebeu a missão no dia 3 de abril, naquele final de semana foram iniciados os trabalhos e quatro dias depois, no dia 7 de abril foi lançado o aplicativo da Caixa. Foi realizado um entendimento com as operadoras de telefonia para as pessoas que não tinham crédito pudessem não apenas acessar, mas trafegar dentro do aplicativo. Também foi feito um contato com a Febraban para que não houvesse nenhum desconto das contas que iriam receber o auxílio, no sentido de preservar o poder de compra dessas pessoas. Foram processados 112 milhões de CPFs ao longo dos últimos quarenta dias. Alguns lotes com 30 bilhões de combinações possibilitados pelo trabalho da Dataprev.

Uma Argentina e meia

De acordo com Onyx, foi atendido um número de cidadãos equivalente a “uma Argentina e meia. São 59 milhões de pessoas. Ele antecipou que, hoje, deverá receber da Dataprev os cinco milhões que se inscreveram no aplicativo, quer como nova inscrição, ou atualização, ou revisão de cadastramento a partir do dia 1º de maio.

“Organizamos os depósitos da segunda parcela do Bolsa Família, do Auxílio Emergencial e do último grupo daqueles inscritos entre 23 e 30 de abril de tal forma que são 59 milhões de pessoas distribuídas em duas semanas para crédito e quatro semanas para saque. E, graças a Deus, não temos mais a situação de filas intermináveis e conflituosas nas agências da Caixa, quero aqui parabelizar o corpo técnico e todos os servidores da Caixa Econômica Federal”, ressaltou Onyx.

Ataques de hackers

Em resposta à pergunta do Tudo OK Notícias, o ministro lembrou que no final de semana dos dias 4 e 5 houve um volume impressionante de sites, mais de mil sites tentando capturar as informações das pessoas. Lamentavelmente, segundo Onyx, apesar do trabalho da Polícia Federal 174 mil brasileiros forneceram todos os seus dados para potenciais fraudadores.

Onyx informou que há um acordo com o Ministério da Justiça e Polícia Federal para monitoramento. É usada a TI da Controladoria Geral da União. A Caixa reforçou o seu sistema de combate ao hackeamento. “Mas é claro, lamentavelmente, vou usar uma expressão espanhola ‘hecha la lei, hecha la trampa’ ( faz-se a lei, faz-se a trapaça), que é muito conhecida lá no sul do Brasil pela fronteira terrestre com a Argentina e Uruguai”, pontuou.

O número de inquéritos abertos envolvendo essas fraudes já atingiram mais de 300 que a PF tem nesse momento. Duas prisões em flagrante. Foram enviadas de grupos de fraudadores três citações bem fundamentadas pelo Ministério da Cidadania para a PF e a Caixa mandou duas.

112 milhões de CPFs

Ele ressaltou que o volume de CPFs processados são de 112 milhões cadastrados e é quase impossível não haver fraudes. Também recordou o caso dos presidiários. Num final de semana, foram registrados 75 mil atos. Segundo o ministro, quando cruzamos com a base e dados do DEPEN, conseguimos bloquear, depois veio um comando onde foi pago pagar para quem estava no sistema aberto, apesar da condenação.

“Tivemos que refazer toda a nossa esteira de procura aqui, mas a gente vem com muita diligência e humildade, eu brinco sempre a que primeira versão do aplicativo era pouco melhor que um Fusca. Depois a gente evoluiu para um sedan automático e agora a gente tem quase uma SUV na última versão.”

Na visão de Onyx foi um momento de experimento onde se aprendeu muito e “ensinamos para o mundo”.

Os norte-americanos estão nesse momento recebendo cheque em casa leva em média na melhor das hipóteses uma semana para descontar e na média mais de dez dias para fazer o desconto daquele cheque. Tanto o Banco Mundial, quanto o Bird procuraram o Ministério da Cidadania e a própria ONU. Eles estão muito impressionados com o que a gente está fazendo aqui”.

O ministro admite que houve dificuldade para evitar as fraudes. “Somos humanos e temos falhas, procuramos corrigir e o processo tem uma característica, que como ele é autodeclaratório temos que acreditar que ali está a verdade”

“E só para fechar a resposta, desse 112 milhões de pessoas em torno de 33 milhões de cidadãos não tinham direito e muitos tentaram sem conhecimento, mas uma boa parte fez aquilo que, eu vou usar uma expressão gaúcha, a ‘tentiada é livre’, o cara faz a tentativa para ver se passa e a maioria não passou, mas a gente teve dificuldade, sim”, concluiu.