Barretos: Gusttavo Lima entrega respeito, carinho e dedicação aos fãs

0
357
Compartilhe

O cantor demonstra toda a consideração pelos fãs, que reconhecem, no ídolo, um parceiro numa relação marcada de sucessos e devoção ao ídolo. Servir salgadinhos ao público é um mero detalhe.

 

Gusttavo Lima estava no palco, por volta das 5h deste domingo (25), Arena da Festa do Peão de Barretos (SP), sem o público arredar o pé da arquibancada dos rodeios. A temperatura baixa, rondava os 14ºC, com o vento baixando mais ainda a sensação térmica.

Antes de Gusttavo Lima, já tinham passado Mano Walter, Jorge & Mateus e Bruno & Marrone pelo palco principal. Eles só queriam cantar com o rei da arena, nome dado a Gusttavo Lima no show feito no primeiro sábado da festa, quando dividiu os holofotes com Simone & Simaria.

Ele abriu com “Cem Mil”, que integra o DVD “O Embaixador”, gravado durante a Festa de Barretos em 2018. Desconhecida na época, a música caiu no gosto do público, emplacou nas rádios e alcançou o status de a mais executada no primeiro semestre deste ano.

Não foi só “Cem Mil” que conquistou o público. A boa aceitação do DVD “O Embaixador” está também em “Respeita o Nosso Fim”, “10 Anos”, “Carrinho na Areia”. Todas cantadas com vontade pelos fãs.

“Quem está feliz bota a mão pra cima. Quem vai amanhecer comigo bota a mãozinha para cima aí”, pediu Gusttavo Lima, dando sinais de que só encerraria o show com o raiar do dia. E foi o que fez. Quando canta “eu não vou embora”, Gusttavo Lima leva mesmo a sério.

O cantor assumiu a guitarra para interpretar “Na Hora de Amar”, do DVD Buteco do Gusttavo Lima. A letra romântica embalou a dança de casais que dançaram juntinho.

“Hoje eu não tô bom pra beber, não. Eu tô excelente pra beber”, brincou ao aceitar um drink entregue pela produção.

“Eu Não Iria” manteve a temperatura do show, assim como “Tudo Que Vai Um Dia Volta”. A novata “Milu”, com a pegada latina que Gusttavo Lima incorporou de vez, balançou a turma do chapéu.

Pediu para apagar as luzes do palco e os refletores de frente para ver os fãs e brindar com eles. Reclamou da distância deles do palco. “Não tem jeito de trazer essa grade mais pra frente? Eu estou cantando a 15 metros do povo”, disse. Foi atendido cerca de 20 minutos depois.

O som dos metais anunciou “Estrada da Vida”, de Milionário & José Rico, e “Assino com X”, de Gilberto & Gilmar. “Uma salva de palmas para essa banda maravilhosa”, disse o cantor ao apresentar cada um dos integrantes.

Ele também cantou “Online”, lançada em maio deste ano nas plataformas digitais.

Com uma garrafinha de bebida quente, Gusttavo voltou a brincar com os “cachaceiros de Barretos”. Ele também tomou vinho. “Agora eu só estou bebendo o dia que eu estou cantando. Dos 30 dias do mês eu estou fazendo show em 29”, disse e caiu na risada.

Gusttavo Lima abriu o show para que fãs fizessem pedidos de músicas. Ao violão, interpretou a romântica “Não Olhe Assim”, sucesso de Leandro e Leonardo na década de 1990. Emendou o clássico “Seu Amor é Ainda É Tudo”, de João Mineiro e Marciano. Leonardo voltou a entrar no set list com “Deixaria Tudo”.

Gusttavo Lima atacou de baladeiro às 6h30. Com apoio de um DJ, transformou a arena em uma rave. A galera aproveitou para colocar os óculos escuros.

O sertanejo balançou o Parque do Peão ao som de “Zé da Recaída”, “Eu Vou te Buscar (Cha la la la la) e “Péssimo Negócio”, de Dilsinho.

“Não sei como vai ser a ressaca, mas eu entrego na mão de Deus. Já bateu aquela dor de cabeça. Antes de chegar em Barretos eu já tinha tomado 64 long necks. Até lá pelas duas da tarde eu morro”, exagerou.

Quando cantava “Gatinha Assanhada”, Gusttavo Lima recebeu uma bandeja com petiscos. Chegou a cantar de boca cheia, mas jogou para a galera. Com “Balada Boa (Tchê Tchê Rere)” e “Zuar e Beber” transformou a arena em micareta, fazendo os fãs tirarem o pé do chão.

Mais uma vez aclamado, Gusttavo Lima foi chamado de embaixador e retribuiu o carinho. Ao lado do presidente do clube Os Independentes, organizador da festa, confirmou que estará na edição de 2020 do rodeio de Barretos.

Por volta das 7h, quando o sol já estava alto, colocou os óculos escuros e revisitou o primeiro sucesso da carreira, “Inventor de Amores”. Emendou uma das músicas mais tocadas na arena em 2019: “Cobaia”, de Lauana Prado.

Prometeu ficar até às 10h no palco por ordem da mulher Andressa Suíta.

A entrega do cantor em meio ao carinho, respeito e dedicação ao público garante que “o rei da arena” de Barretos tenha retorno de seus fãs incondicionalmente nas mesmas moedas. Um exemplo para muitos jovens que trilham a caminhada, por muitas vezes penosa, em busca do sucesso. Com informações do G1.

Foto:Reprodução/TV Rodeio