Bolsonaro classifica de “clara medida de intimidação” os dados divulgados pelo Anonymous

0
66
O presidente da República, Jair Bolsonaro Foto: Marcos Corrêa - 7.mai.2020/PR
Compartilhe

 

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (2) que a divulgação de seus dados pessoais pelo movimento hacker Anonymous Brasil é uma “clara medida de intimidação” do grupo.

“Em clara medida de intimidação, o movimento hacktivista Anonymous Brasil divulgou, em conta do Twitter, dados do Presidente da República e familiares. Medidas legais estão em andamento, para que tais crimes, não passem impunes”, escreveu o presidente em rede social.

Mais cedo, o ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, informou que solicitou abertura de inquérito à Polícia Federal para investigar o vazamento de informações cadastrais e patrimoniais do presidente, de seus familiares e outras autoridades.

“As investigações devem apurar crimes previstos no Código Penal, na Lei de Segurança Nacional e na Lei das Organizações Criminosas”, declarou o ministro da Justiça, em nota.

Jair M. Bolsonaro

@jairbolsonaro

– Em clara medida de intimidação o movimento hacktivista “Anonymous Brasil” divulgou, em conta do Twitter, dados do Presidente da República e familiares.

– Medidas legais estão em andamento, para que tais crimes, não passem impunes.

26,7 mil pessoas estão falando sobre isso

A divulgação dos dados ocorreu na noite desta segunda, em perfis no Twitter que dizem ser ligados ao grupo hacker Anonymous. Além de Bolsonaro, supostos dados de seus filhos Carlos, Eduardo e Flávio, além de integrantes do governo, como os ministros Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) e Abraham Weintraub (Educação), tiveram dados expostos. Uma das contas foi suspensa minutos depois, e o site onde estavam armazenadas as informações saiu do ar.

A Anonymous atua em outros países e ressurgiu neste domingo, após desdobramentos do caso de George Floyd, homem negro assassinado durante uma abordagem policial nos Estados Unidos. A conta que vazou supostos dados de autoridades brasileiras nesta segunda, 1º, estava sem publicar no Twitter desde outubro de 2018. No último domingo, anunciou a volta.