Bolsonaro, Maia e Alcolumbre sugerem reeleição

0
326
Compartilhe

Mas presidente da República crê que no caso da Câmara e do Senado, a máquina favorece quem está no cargo, “já sai com a máquina na mão”, o que atrai mais simpatizantes 

Por Maurício Nogueira

O presidente Jair Bolsonaro tocou no tema reeleição 2022, neste sábado (22).  a possibilidade de tentar a reeleição em 2022. Ele lembrou que, durante a campanha presidencial, havia afirmado que, “(com) uma boa reforma política, aceitaria acabar com essa política de reeleição”.

Ato contínuo, Bolsonaro deu a entender que, caso a reforma não ocorra, pode sair candidato. “Aí, 2022, se estiver bem, ou razoavelmente bem… Do contrário, estou fora”, acrescentou ele, complementando que “não existe bom governo com uma má economia.”

Quanto à reeleição dos presidentes das duas Casas no Congresso, Bolsonaro foi refratário. “No meu entender, a Câmara que vai decidir, é coisa interna deles. Se eu fosse parlamentar, eu saberia como votar”, disse ele a jornalistas neste sábado (22).

Na visão do presidente, quem já tem mandato leva vantagem, “já sai com a máquina na mão. Isso aí é um atrativo para ganhar simpatizantes”, citando como exemplo a Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

A ideia da reeleição foi ventilada por parlamentares, na surdina para as presidências da Câmara e do Senado. Como fazer? Criar Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para permitir reeleições ao comando do Legislativo de forma ilimitada.

Três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o que se diz é que todos concordaram ser pauta do Parlamento, segundo Veja.

O detalhe é que, segundo a Constituição não é permitida a recondução dos presidentes da Câmara e do Senado ao cargo na mesma legislatura.
Ou seja, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) poderão concorrer à reeleição, caso essa regra, que por sinal está no regimento interno de ambas as Casas, não for modificada.
“Não estou sabendo de nenhuma articulação nesse sentido e sou contra”, desconversa Maia. Segundo Veja, a concepção da possibilidade foi de Alcolumbre. No entanto, sua assessoria informou que nada vez para perpetuar-se na cadeira principal da Câmara alta.