Mauricio de Souza é homenageado no Senado e apresenta personagens Dorinha e Luca

0
250
Compartilhe

Dorinha é deficiente visual em homenagem à educadora Dorina Nowill e Luca é cadeirante, jogador de basquete, uma menção aos atletas paraolímpicos, mais duas inclusões na Turma da Mônica. 

Por Maurício Nogueira e Josiel Ferreira

O artista Mauricio de Souza foi homenageado no Senado, nesta terça-feira (17) com a presença de muitas crianças deficientes, que passaram uma tarde que não deverão esquecer tão cedo. A presença de Maurício provocou um clima de muita emoção no auditório Petrônio Portella no Senado. Homenageado pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO) com o apoio do senadores Romário (Podemos-RJ), Flávio Arns (Rede-PR), Elmano Férrer (Podemos-PI), Mauricio de Souza ficou emocionado durante a solenidade repleto de crianças.

Pouco antes de entrar no auditório Petrônio Portela, o artista genial e consagrado Maurício de Souza, em entrevista disse se sentir honrado com a homenagem. “Estamos fazendo simplesmente, o nosso trabalho como sempre dirigido à criança brasileira e pretendemos sempre com o nosso trabalho levar uma mensagem positiva, alegre, divertida e às vezes também com propostas comportamentais. É isso que eu acho que está sendo motivo da homenagem que eu vou receber daqui a pouco”, ressaltou.

Dorinha e Luca

Os personagens Dorinha e Luca são novos personagens voltados para a inclusão. Ele contou que Dorinha é uma homenagem a educadora cega carioca, Dorina Nowill fundadora de instituto de cegos que recebeu o nome dela no Rio de Janeiro. Já Luca foi uma menção respeitosa aos atletas paraolímpicos feita por Maurício.

“Conversei com eles, ouvi, adorei estar com os paraolímpicos, são alegres corajosos, guerreiros. No caso da Dorina Nowill eu fiquei muito amigo dela. Ela também me orientou muito quanto a como é que deveria tratar o personagem e agora, depois que ela se foi embora eu me tornei muito presente no instituto que leva o nome dela. E com isso, tento orientar os artistas que fazem o papel dela com as máscaras que irão se apresentar aqui.”

Mauricio contou que as crianças chegam e começam a fazer perguntas como você escolhe a roupa para a Dorinha, por ela ser deficiente visual. “Os nossos artistas tem uma orientação para responder como a Dorina Nowill responderia”, explicou.

Crianças emocionadas

Ao entrar no teatro Petrônio Portela, Mauricio de Souza causou o maior frisson na criançada. O clima foi tomado pela emoção. Já à mesa do auditório declarou estar emocionado ao receber homenagem no Senado Federal. E, claro diante das crianças, que  lotaram o auditório Petrônio Portela.

“É uma honra receber essa homenagem, aqui no Senado Federal”, disse o artista. Ele ressaltou o reconhecimento do trabalho que o estimula cada vez mais. Ele destacou a diversidade a inclusão nas estórias da Turma da Mônica.

Durante sua fala, Mauricio lembrou que cresceu num ambiente em que o respeito às diferenças sempre foi regra. “Desde o início das estórias da Turma da Mônica eu procurei trazer esse espírito de tolerância para a turminha. E com o tempo eu percebi que faltava representar as crianças com deficiência que tem amigos e gostam de brincar e são felizes.”

Luca, um dos novos integrantes é cadeirante e Dorinha é deficiente visual, Tati com síndrome de Dow, Edu com distrofia muscular entre outros, ajudam a levar a toda a sociedade o tema da inclusão. Uma surpresa para a criançada foi a exibição de um vídeo. “A série Cine Gibi que mostramos hoje traz recursos e possibilidades como libras, auto-descrição e legendas”

Em seguida ao seu discurso, Mauricio de Souza puxou o coro para a entrada de Dorinha e Luca que estavam ao vivo. Segundo ele, duas personagens que mostram, exibem as suas qualidades de vencedoras, de guerreiras que resolvem problemas.

“Cada vez, a Turma da Monica deve mostrar o mundo como ele é. E a criança como ela é também. Criança berra, rindo, aprendendo participando cada vez mais da sociedade. Hoje, as crianças estão protagonistas também em casa, vivendo um momento moderno na família”, frisou.

Neste momento, chegaram os dois novos personagens entrando pelo fundo do auditório. O Luca, que é cadeirante e a Dorinha, devidamente escoltados pela Mônica e o Cebolinha. Todos distribuíram beijos e na sequência posaram para as fotos, com quem quisesse levar uma selfie especial.

Importância da homenagem

O senador Eduardo Gomes (MDB-TO) que foi o responsável pela homenagem em parceria com demais parlamentares ficou emocionado com a presença de Maurício de Souza no auditório Petrônio Portela.

“A presença do Maurício de Souza é muito importante. É um artista que ultrapassou todas as barreiras do tempo. É muito emocionate ver crianças de dois anos de idade comemorando a presença de Maurício de Souza com pessoas de 80 anos. É muito importante saber que o Brasil tem um talento de um cidadão como Muricio de Souza, além de ser um grande artista pensa em inclusão e igualdade”, disse o parlamentar.

Gomes acredita que só poderá haver mais “Mauricios de Souza”, melhorando o ambiente de trabalho. Tem muita coisa a ser feita. Os artistas no Brasil são discriminados. Há uma indústria internacional muito bem sucedida nessa área de entretimento.

“Para concorrer com Walt Disney, uma série de estúdios da China da Ásia, a gente tem que valorizar aquele que gera emprego no Brasil e tem os personagens brasileiros. E agora com a inclusão ainda por cima. Viva Maurício de Souza e viva o Luca a e Dorinha também”, acentuou.

Eduardo Gomes tem um trabalho voltado para o social que já é tradicional. Trata-se da Universidade da Maturidade, que é um projeto de inclusão da pessoa idosa num ambiente universitário. São cursos de extensão com duração de 18 meses. Está no seu décimo ano de fundação no Tocantins e tem como parceiro a Universidade Federal do Tocantins.

“É um sucesso, experiência que vale a pena ser conhecida de perto. E ela está sendo agora difundida em outros estados”, destacou Gomes.

A senadora Leila Barros (PSB-DF) recebeu os agradecimentos por ter contratado os ônibus que transportaram as crianças da Escola Classe 102 Sul, do Instituto Pestalozzi, escola Pedacinho do Céu, do Guará, e o Lar Infantil Chico Xavier. Associação de Mães e Pais, Amigos Reabilitadores de Excepcionais (Ampare) também foi representada no evento.

Durante o evento, duas crianças da escola Pedacinho de Céu entregaram uma carta em mãos a Maurício de Souza. Além da carta, ele recebeu de Simon Wernik, que é modelo, frequentador dos Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (APAE) e que entregou um quadro, que foi pintado no estúdio da irmã dele, que é artista plástica.