O que fazer em caso de teste positivo para Coronavírus

0
205
A doutora Luciana Souza compara duas radiografias de tórax diferentes de um paciente enquanto conversa com um colega de um hospital de campanha criado para tratar pacientes que sofrem da doença de coronavírus (COVID-19) em Guarulhos, São Paulo
Compartilhe

Depois que um teste para detectar a Covid-19 dá positivo é imprescindível ao cidadão saber como deve proceder a partir desse momento. Conforme o alerta dos especialistas da Secretaria de Saúde, a unidade básica de saúde (UBS) mais próxima da residência dos usuários será o ponto de partida para qualquer providência que precise ser tomada.

 

“Depois do resultado positivo, se o teste foi realizado em uma UBS, o médico dará a orientação adequada, seja isolamento domiciliar ou internação, dependendo do quadro clínico”, informa o subsecretário de Vigilância à Saúde, Eduardo Hage.

O DF possui 172 UBSs e todas estão aptas a atender pessoas com sintomas da doença causada pelo novo Coronavírus (Sars-CoV-2). Somente em casos mais graves, como falta de ar, ou frequência respiratória mais alta, ou comprometimento no pulmão, que os pacientes devem procurar um local que seja referência para esse tipo de atendimento, como o Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

Os pacientes devem procurar o Hran apenas com sintomas graves da Covid-19. A ida ao hospital sem estar com a doença aumenta os riscos de contaminação ao ter contato com transmissores da Covid-19. Enquanto isso, a Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde notifica e investiga os casos positivos. “Em conjunto com as Equipes de Saúde da Família, procedemos o monitoramento dos casos por 14 dias, a partir do início dos sintomas, além de avaliar a presença de contatos domiciliares com esse caso positivo”, explica o subsecretário de Vigilância à Saúde.

Ou seja, quando algum membro da família testa positivo para a Covid-19, todos do grupo familiar são orientados a observar a presença de sintomas. Caso apresentem algum, devem procurar a UBS. Se for uma pessoa assintomática que entrou em contato com algum caso confirmado, o indicado para ela será ficar em isolamento social.

“Lembrando que todo caso positivo, ao ser notificado na unidade de saúde, entra na estatística da Secretaria de Saúde, sem necessidade de refazer o teste”, ressalta Eduardo Hage.

Óbitos

 Todo óbito suspeito de Covid-19 é submetido ao exame de RT-PCR, mais conhecido como swab nasal e oral. Ele é considerado pelos infectologistas a técnica padrão ouro no diagnóstico da doença. Se o óbito for confirmado como positivo, então é notificado e entra nos registros de casos. “Os óbitos suspeitos ou com anotação na declaração de óbito são priorizados para realização de exame de RT-PCR”, afirma o subsecretário.

Contudo, como o resultado do teste costuma sair em até 72 horas, na declaração de óbito pode constatar ser por Covid-19 e, às vezes, só entrar na estatística depois que confirma. “Quando o resultado é positivo, na maioria das vezes em até 24 horas, é notificado. Quando é negativo, a unidade onde o paciente faleceu procede a correção na declaração de óbito”, destaca Eduardo Hage.

A Secretaria de Saúde informa que os testes adquiridos pelo GDF apresentam sensibilidade superior a 86% e especificidade superior a 95%.Esses testes têm registro na Anvisa e avaliação técnica satisfatória pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). Para todos os testes existentes no mercado há uma margem de falso-positivo.

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA SECRETARIA DE SAÚDE EM CAMINHADA DO TUDO OK NOTÍCIAS:

A pasta esclarece que não há indicação de contraprova e nem re-teste para teste rápido ou RT-PCR, salvo casos de pacientes internados com indicação médica. Essa orientação também consta em nosso Plano de Contingência:

http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2020/02/Plano-de-Continge%CC%82ncia-V.6..pdf  

Os casos positivos são notificados no e-SUS VE e monitorados pela Vigilância Epidemiológica local.

As informações sobre testagem em drive trhu foram atualizadas, e também já constam em nosso site:

http://www.saude.df.gov.br/quase-250-mil-testes-rapidos-para-covid-19-ja-foram-feitos-em-tres-modalidades/  

 

Agência Brasília  I EDIÇÃO: Carolina Jardon/Secretaria de Saúde.