Projetos que passam pela CLDF colaboram com retomada da economia, diz Prudente

0
65
Compartilhe

 

Rafael Prudente espera que este ano seja o da retomada de crescimento e que não seja tímida.

Por Josiel Ferreira e Maurício Nogueira

Entre as medidas que foram tomadas para diminuir os impostos a redução do Diferencial de Alíquota do ICMS (Difal) que pega na ponta os micro e pequenos empresários, pagando um pouco menos de imposto,foi um grande avanço para melhorar a vida desses gestores privados.

Trata-se da principal colaboração da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), segundo o presidente da CLDF, Rafael Prudente. Ele concedeu entrevista nesta segunda-feira (17). Para ele, a medida se traduziu em uma economia importante para que os empresário possam fazer investimento no próprio negócio, possibilitando crescimento e consequente contratação de mais funcionários.

Prudente avalia que o encerramento do ano passado foi marcado pelo debate do Pró-DF e foi retomado com a apreciação de alguns vetos. O projeto reformula o antigo Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo do DF (Pró-DF). Chamada de Desenvolve-DF, a proposição é uma das apostas do governo para incentivar o empresariado local e gerar empregos.

“Inclusive, hoje, esteve aqui o Leonardo Mundin, que é diretor da Terracap e o secretário do Desenvolvimento econômico também, sobre alguns vetos para que a gente não derrube alguns deles e contamine a legislação e essa lei seja julgada inconstitucional. Temos toda essa preocupação e estamos cobrando o governo a regulamentação da lei que deve sair agora no mês de março. Vai ser um programa que a gente está esperando muito que possa ajudar empresários que queiram vir investir no Distrito Federal e aqueles que já estão aqui investir mais.”

Trata-se de um pacote que o governador Ibaneis Rocha irá anunciar nos próximos dias com medidas que passaram pelo crivo da CLDF. “A gente aposta muito nesse projeto que o governador deverá mandar projetos aqui”, disse Prudente.

Na visão do presidente da CLDF, o Orçamento é um pouco mais robusto do que foi apresentado no ano passado. Esse ano o governo vai ter que entregar porque ele está trabalhando com o Orçamento dele.

Prudente entende que é difícil quando se assume o governo com Orçamento do programa do outro governo que pode prejudicar a população. Isso demanda fazer constantes ajustes.

O presidente da CLDF contou que participou da reunião de fechamento de final de ano com todo o secretariado na qual o governador determinou as ações que deveriam ser prioritárias nesse ano. Entre elas, a construção de escolas de creches, alguns viadutos que precisam ser feitos, como da EPIG, do Recanto das Emas, Riacho Fundo II.

“No Riacho Fundo I já deu uma canetada iniciando uma obra importante que é a construção do túnel Taguatinga que vai ser o caos, mas precisa ser feito. Ali vai ser confusão, você imagina é acabar com a ligação de duas cidades. Mas depois quando inaugurar também vai ser uma maravilha.”

Prudente ressaltou ainda que neste ano há recursos para investimentos o que surtirá efeito na quantidade de obras realizadas. Mesmo assim, ele testemunhou que Ibaneis Rocha  determinou que “a Secretaria de Economia fosse buscar recursos e financiamento fora também para que possa bancar obras importantes como a obra do BRT”.

Na visão de Prudente, as obras são importantes para revitalizar as áreas de desenvolvimento econômico. “Quanto ao viaduto do Recanto das Emas eles publicam até maio, ou deve publicar, já tem a liberação da Caixa Econômica, já está resolvido esse assunto com o banco. ”

Para o presidente da CLDF, as grandes obras com investimentos vultosos gerarão empregos. A economia irá melhorar e mudará a região que será transformada pela importante obra. Além de aumentar o número de postos de trabalhos, as empresas pagarão mais impostos em cima da obra que será realizada.

“O Sinduscon e a Abemi no ano passado fecharam alguns números e disseram que a previsão só no setor deles de contratação de 100 mil profissionais. A gente espera que esse ano seja o ano da retomada da economia e que essa retomada não seja muito tímida”, complementou Prudente.