Sycamore: o supercomputador secreto da Google

0
608
Compartilhe

 

Documento vazado pela Nasa revela que gigante da tecnologia criou uma máquina que realiza, em 3 minutos, cálculos que levariam 10.000 anos para ser feitos.

 

“Máquinas similares às hoje existentes serão construídas a custos mais baixos, mas com velocidades mais rápidas de processamento.” Assim, em um artigo de 1965, o empreendedor americano Gordon Moore, cofundador da Intel e hoje com 90 anos de idade, apresentou sua célebre ideia. Pela “Lei de Moore”, a cada cerca de dois anos o desempenho dos chips de computador dobra, sem que aumentem os custos de fabricação. A máxima, irretocável, à exceção de pequenos detalhes de percurso, funcionou tal qual intuíra Moore — e as máquinas evoluíram no ritmo imaginado por ele. É uma regra que pode estar com os dias contados. Vive-se, hoje, uma revolução tecnológica afeita a deixar no passado o raciocínio da duplicação de capacidade de cálculos à base de silício: é a computação quântica. Ela poderá nos levar a distâncias inimagináveis: tarefas que o computador mais poderoso do planeta demoraria 10 000 anos para completar seriam feitas em pouco mais de três minutos (veja o quadro).

A computação quântica era uma construção que, até o início desta década, não passava de teoria impressa em estudos universitários. Nos últimos anos, começou a ser testada na prática, com sucesso apenas parcial, até conseguir tração que, finalmente, parece se encaminhar para uma nova história. Um documento da Google, vazado recentemente, mostra que a empresa, que nasceu como um motor de buscas para depois invadir outras searas, pode estar muito próximo de romper de vez com o paradigma imposto pela Lei de Moore ao criar o primeiro computador quântico funcional da história.

A revelação foi resultado de uma distração. Algum funcionário da Nasa, também envolvido com o projeto, acidentalmente publicou, em 20 de setembro, no site da agência espacial americana, um estudo que mostra o feito da Google, realizado por meio de uma máquina, ainda sob sigilo, nomeada como Sycamore. O arquivo, programado para ser divulgado oficialmente neste mês, permaneceu poucos segundos no ar — mas foi o bastante para ser flagrado pelo jornal inglês Finan­cial Times. O supercomputador cumpriu um feito inédito: estabilizou os chamados qubits (versões quânticas dos tradicionais bits) por tempo suficiente para que fossem realizadas operações pela inteligência artificial.

A inovação do gigante americano da internet pode dar fim ao paradigma da Lei de Moore, que estabelecia um progresso sempre constante para os chips

Exige-se, aqui, uma breve pausa para explicar a computação quântica. Em um PC regular, os chips operam por meio de bits, unidades binárias responsáveis por formar a linguagem dos soft­wa­res. Esses bits regem os cálculos sempre como se desempenhassem um de dois papéis, dentro da ideia da língua das máquinas: ou são “zero” ou são “1”. No caso do qubit dá-se um comportamento simultâneo, com o “zero” e o “1” ao mesmo tempo. Grosso modo, seria como se um ser humano pudesse, ao mesmíssimo tempo, de modo correto e com perfeita dicção, falar duas palavras. Na prática, representa a possibilidade de um salto gigantesco na velocidade dos computadores.

O computador secreto da Google foi pioneiro ao efetivar essa ambição. O avanço ainda se restringe a âmbitos estritamente técnicos, sem utilidade cotidiana. Já é, porém, apelidado de “o Santo Graal da computação”. Isso porque o feito, se comprovado, atingiu o que se conhece como “supremacia quântica”. A nomenclatura indica aquele momento da civilização em que os computadores seriam tão (ou mais) competentes quanto os seres humanos. O cientista da computação americano Scott Aaronson, professor da disciplina de informação quântica na Universidade do Texas em Austin (EUA), diz, em entrevista a VEJA: “Isso não causará mudança imediata na vida das pessoas. Mas só por enquanto, pois se trata do início de um caminho que levará a transformações radicais em diversas áreas, culminando certamente no desenvolvimento de inovações que devem abranger de novos remédios à criação de materiais artificiais com atributos que hoje se restringem à imaginação”. Vale lembrar que o computador que usamos hoje também começou com um passo singelo, em 1843, quando a matemática inglesa Ada Lovelace (1815-1852) publicou um diagrama numérico que veio a ser considerado o primeiro algoritmo computacional. Foi esse trabalho, então estritamente técnico, que permitiu, quase dois séculos depois, a existência de notebooks, smartphones, tablets, robôs etc.

 (./.) – (Veja)