Banco do Brasil dá início ao processo para André Brandão assumir presidência

0
14
Compartilhe

 

O Banco do Brasil comunicou, nesta sexta-feira (14/08), à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que deu início ao processo para que André Brandão possa assumir a presidência da instituição.

 

No fato relevante publicado ao mercado, o vice-presidente de Gestão Financeira e Relações com Investidores do BB, Carlos Hamilton, informa que o início dos procedimentos para a nomeação de Brandão para o comando do banco foi possível depois do recebimento de um ofício encaminhado pelo Ministério da Economia.

Brandão, pelos trâmites pré-estabelecidos, ainda vai passar pela aprovação do Comitê de Elegibilidade do Banco do Brasil. Mas já é a confirmação por parte do governo de seu nome para substituir Rubem Novaes, que renunciou ao cargo em 24 de julho.

 

Veja o que diz o fato relevante publicado pelo BB:

“Em conformidade com o § 4º do art. 157 da Lei nº 6.404, de 15 de de zembro de 1976, e com a Instrução CVM nº 358, de 03 de janeiro de 2002, o Banco do Brasil (BB) comunica que, após comunicação formal, via Ofício do Ministério da Economia, desta data, iniciou-se no âmbito do BB os procedimentos de governança necessários à confirmação da elegibilidade do Sr. André Guilherme Brandão para assumir o cargo de presidente da Companhia.

Fatos adicionais, julgados relevantes, serão prontamente divulgados ao mercado.”

André Brandão terá grandes desafios pela frente. O primeiro, conquistar a confiança dos funcionários da instituição, já que a relação de Novaes com os trabalhadores foi muito ruim. Também terá que afastar, neste momento, a visão de que o BB está pronto para ser privatizado.

Outro ponto vital: restabelecer o diálogo do banco com o Tribunal de Contas da União (TCU), que proibiu a instituição de fazer propaganda em sites especializados em difundir fake news. Rubem Novaes não aceitou os argumentos apresentados pela Corte.

André Brandão foi presidente do HSBC no Brasil e estava num cargo estratégico da instituição em Nova York. Foi justamente o fato de morar fora do país e a burocracia para voltar ao Brasil que atrasaram um pouco a sua nomeação. Essa demora gerou burburinhos de que o governo tinha desistido da nomeação. (CB)