Geroproteção: você está preparado para envelhecer?

0
563
Compartilhe

 

Com a expectativa de vida crescendo, aumenta também a preocupação com a qualidade do envelhecimento.

No Brasil, a expectativa de vida é de 80 anos para as mulheres, enquanto os homens vivem até os 73. Mas ultrapassar os 100 anos não é impossível, com vários casos pela cidade. Mas do que adianta ser um centenário se for para sofrer com vários problemas de saúde, não gozar de lucidez ou depender de terceiros até para se alimentar.

E pensando em qualidade de vida, as pessoas estão preocupadas em se alimentar melhor, praticar atividades físicas e manter as consultas em dia. A ciência também está preocupada em garantir longevidade, mas, principalmente oferecer recursos para um bem-estar na velhice. Ativos de geroproteção são novidade nesse quesito, um recurso que tem sido utilizados por médicos e nutricionistas como um auxiliar no controle e prevenção de diversos problemas de saúde, bem como diabetes, doenças cardiovasculares e até câncer.

A farmacêutica Rosângela Koslyk, da Essencial Farmácia de Manipulação, explica que cada vez mais há uma procura por geroprotetores. “E muitos casos, a pessoa só se atenta que a velhice depende do seu estilo de vida quando já é tarde. Então acaba precisando de recursos extras para amenizar os efeitos de uma vida desregrada ou problemas hereditários que possam surgir”, conta a responsável.

O endocrinologista Antônio Minuzzi, um dos mais respeitados nomes em longevidade e pesquisador destes ativos, destaca que 63% da saúde de um indivíduo provém de seus hábitos. Alimentação balanceada e atividade física são imprescindíveis. Esses geroprotetorres são para quem não está 100% com a saúde e precisam de reforço. “É importante destacar os hábitos das pessoas. Precisamos buscar sempre a saúde quando temos e nos preocupar com ela, não apenas quando já a perdemos e tentar correr atrás do prejuízo”, alerta.

Rosângela Koslyk ressalta ainda sobre a importância de se visitar um consultório com especialistas sempre. “Vale destacar que o uso de geroprotetores requer prescrição médica, administrado de maneira personalizada, para atender as reais necessidades do paciente. Tudo feito com o devido acompanhamento periódico e acompanhado de conscientização quanto a posturas no dia a dia”.