Jejum intermitente ou ‘low carb’: qual é a melhor dieta?

0
1168
Compartilhe

 

Na hora de escolher, é importante avaliar os motivos do regime e não esquecer de consultar um especialista para receber orientações adequadas.

 

Ao pensar em começar uma dieta, uma parcela das pessoas fica em dúvida sobre qual é a melhor. Entre as favoritas do momento estão as dietas low carb, como a cetogênica e a paleolítica, e o jejum intermitente. Os dois tipos provocam efeitos semelhantes no organismo, incluindo redução de insulina e de açúcar no sangue, além de promover a cetose — processo metabólico que favorece a queima de gordura. Apesar disso, para algumas pessoas escolher uma ou outra pode trazer mais ou menos benefícios, considerando as razões pelas quais está se fazendo a dieta.

Pensando nisso, o site especializado Medical Daily preparou uma lista explicando em quais casos é melhor optar pela dieta low carb ou pelo jejum intermitente.

1. Perda de peso

Um dos principais motivos para as pessoas iniciarem uma dieta é a perda de peso. Se você estiver preocupado com a balança, as duas dietas podem ser uma escolha adequada já que promovem a queima de gordura. A low carb é excelente para promover a redução de calorias. Já o jejum intermitente é bom para limitar o consumo de refeições durante o dia.

Embora as duas sejam eficientes, especialistas indicam que reduzir o consumo de carboidratos pode ser melhor do que fazer jejum. Isso porque nem todo mundo consegue ficar sem comer por muitas horas, o que as deixa mais propensas a não seguir rigorosamente o cronograma dietético. Portanto, se você está ciente de que pertence a este grupo, prefira a low carb, pois ela retira uma parcela dos carboidratos diários, mas consegue atender as necessidades alimentares e controlar a fome.

2. Controle do diabetes

Para quem tem diabetes tipo 2 ou foi diagnosticado com pré-diabetes fazer dieta é fundamental. Na hora de escolher, o jejum intermitente pode trazer mais benefícios. Uma pesquisa descobriu que os níveis de açúcar no sangue são menores entre aqueles que deixavam de comer por longos períodos.

Além disso, outro estudo apontou que restringir a alimentação entre a manhã e a tarde melhora a sensibilidade à insulina, o que favorece o controle da diabetes. Outra vantagem do jejum intermitente para diabéticos e pré-diabéticos é a redução da fome durante a noite, assim como diminuição dos níveis de insulina em jejum.

3. Vida esportiva

Entre os atletas é comum manter uma dieta low carb durante os períodos de treino e aumentar o consumo de carboidratos antes das competições. Essa técnica ensina o organismo a utilizar a gordura armazenada para geração de energia e, consequentemente, melhora o desempenho físico durante a prática esportiva.

Apesar disso, há alguns esportistas utilizando o jejum intermitente. E como funciona para eles? Eles deixam de comer durante um período para que possam ingerir volumes maiores de carboidrato para reabastecer as reservas de glicogênio (estoque de energia rápida armazenada nos músculos) perdidas durante o treino.

4. Prevenção convulsiva

Embora muitas dietas sejam utilizadas apenas com o intuito de emagrecimento, algumas delas também podem ser utilizadas para manejo de problemas de saúde, como a convulsão. Aliás, a dieta cetogênica — que faz parte das dietas low carb — foi criada nas primeiras décadas do século XX como tratamento para esse problema de saúde.

Para tratar a convulsão, a dieta low carb e o jejum intermitente são recomendados. O último, no entanto, não é aconselhável para crianças, pois o jejum pode interferir no crescimento e desenvolvimento. Em adultos, ambas as dietas são benéficas, pois promovem a cetose, que desempenha importante papel na prevenção de convulsões.

Apesar de ajudar no controle de convulsões, realizar a dieta cetogênica pode interferir no funcionamento regular do organismo, segundo a Associação Brasileira de Epilepsia (ABE). Entre os problemas mais comuns estão prisão de ventre, diarreia, náusea e vômito, além de aumento da concentração de colesterol e/ou triglicérides no sangue. Outros efeitos colaterais incluem cálculo renal e acúmulo de gordura no fígado.

Cuidados

É importante lembrar que qualquer dieta só deve ser feita com orientação médica. Por mais benefícios que o controle alimentar possa ter na saúde e no peso do indivíduo, quando não são realizadas adequadamente podem ter o efeito oposto e trazer sérios prejuízos.

Estudo recente mostrou que o consumo excessivo de proteínas pode acelerar o envelhecimento. Em dietas low carb é muito comum substituir os carboidratos por proteínas e acabar exagerando na dose. Além disso, consumir proteínas demais pode provocar degradação muscular — processo caracterizado pela perda da força muscular. Isso tudo prejudica o desempenho físico, causando fraqueza e cansaço.

Já o jejum intermitente causa dores de cabeça, tontura, fraqueza, irritabilidade e fome. Além disso, pode aumentar o risco de desenvolver transtornos alimentares, como bulimia, anorexia e compulsão alimentar. (Veja)