“Eu poderia ter saído do Brasil”, afirma Lula

0
205
Compartilhe

Em teaser de entrevista feita para o jornalista Bob Fernandes e divulgada pela presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva atacou Sérgio Moro e Deltan Dallagnol.

A conversa completa vai ao ar às 18h desta sexta-feira (16) no YouTube e às 22h na TVE/Bahia. Lula afirmou que o atual presidente da República, Jair Bolsonaro, é um “monstro” e que Luciano Huck é o candidato que a Globo queria lançar.

Ele atacou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, questionando as investigações feitas por ele. “O que tinha no telefone do Eduardo Cunha que o Moro não queria que ninguém soubesse? Por que eles não aceitaram uma delação do Eduardo Cunha? Tudo isso, o Moro tem que explicar e não tem mais toga. Se ele se escondeu atrás da toga, ele não tem mais. Ele virou um cidadão comum e precisa se explicar para a sociedade brasileira”, afirmou o ex-presidente.

Além disso, o ex-presidente disse ter tido oportunidade para sair do Brasil mas optou por permanecer no país para “colocar bandido na cadeia”.  “Eu quero sair daqui com 100% de inocência, porque eu estou aqui porque eu quero. Eu poderia ter saído do Brasil. Tive muita oportunidade. Não quis sair, porque o jeito de eu ajudar a colocar bandido na cadeia é ficar aqui”, reforçou.

O ex-presidente acusou a Polícia Federal de “inventar um hacker” para justificar os vazamentos de mensagens de Sergio Moro. Para ele, o órgão “não tem coragem de prender o Queiroz. Ou o Queiroz está morto, ou evaporou”, acusa ele.

Lula também atacou o procurador-chefe da Lava Jato, Deltan Dallagnol, autor das denúncias que o colocaram na cadeia. “Depois de uma hora e meia vomitando bobagem, esse cidadão diz. Não me peçam provas, eu só tenho convicção. Naquele dia, o Conselho Nacional do Ministério Público deveria ter pedido a exoneração desse moleque. O Dallagnol não deveria nem existir, porque ele não tem formação para isso. Por isso fez tanta molecagem e tanta bandidagem.” (JBr)